Pré-venda de ingressos para show de Taylor Swift faz banco digital ter salto no número de clientes

Em quase 24 horas, por causa da contora de pop, C6 Bank abriu três vezes mais contas do que eu um dia normal

SÃO PAULO — Da tarde da quinta-feira passada até o fim do expediente do dia seguinte, o banco digital C6 Bank abriu três vezes mais contas do que em um dia comum. Um dos novos clientes é Bárbara Reis, de 21 anos, assistente de mídias sociais em uma agência de publicidade em São Paulo e estudante de jornalismo.

Fãs da cantora Taylor Swift criaram conta em banco digital para poder comprar ingressos antecipadamente Foto: Robyn Beck / AFP

Bárbara confessa que abriu uma conta no banco digital só para garantir um ingresso para o show da cantora pop Taylor Swift, que se apresentará na capital paulista em 18 de julho de 2020. Uma amiga compartilhou em um grupo de WhatsApp de fãs da cantora o anúncio do C6 Bank: clientes do banco teriam exclusividade na pré-venda do show e ainda poderiam parcelar o ingresso.


Criado por ex-sócios do BGT Pactual, o C6 Bank foi lançado oficialmente em 5 de agosto. Assim como o Nubank e outros instituições “moderninhas” que caíram no gosto de jovens que preferem resolver tudo pelo celular, o C6 Bank não tem agências e praticamente não cobra tarifas.


Além de Bárbara, várias outras das 17 participantes do grupo TAYLOR SWIFT @SOA PAULO — as letras trocadas são de propósito, pois o próprio site oficial da cantora errou o nome da cidade ao anunciar o show — baixaram o aplicativo do C6 e abriram suas contas. Uma delas foi a paulistana Mariana Stocco.


Ou melhor: Mariana convenceu o pai, avesso às novas tecnologias, a ingressar no banco. Desde 2018, ela vive na Espanha, onde trabalha com eventos, e não pôde abrir uma conta por não ter número de celular brasileiro.


— Meu pai é a pessoa que menos entende de tecnologia. Ele é daqueles que coloca o iPhone desbloqueado no bolso e sai ligando para todo mundo — conta Mariana. — Eu tive que explicar para ele, por telefone, o passo a passo de como abrir uma conta em um banco digital.

Além de discutir o show e o novo álbum da cantora, “Lover”, lançado em 23 de agosto, as membros do TAYLOR SWIFT @SAO PAULO também especularam qual banco ou bandeira de cartão de crédito patrocinaria o show e o ofereceria pré-venda exclusiva a seus clientes. Apostaram que decerto seria um banco grande, desses com agência .


— Não imaginávamos que seria um banco digital — diz Bárbara, que já era cliente do Nubank e Itaú.


Swifties


Bárbara havia conseguido R$ 200 de crédito no C6, mas os ingressos para o show vão custar de R$ 150 a R$ 850. Ficou um pouco triste, mas dias depois seu crédito aumentou para R$ 500. Dependendo das taxas, Bárbara vai poder comprar uma meia-entrada para a Pista Premium.


Já Mariana conseguiu crédito suficiente, mas tinha pensado em alternativas: duas amigas têm crédito para mais de um ingresso, uma delas porque já era cliente do C6.


Alexandra Pain, gerente de marketing do C6 Bank, disse ao GLOBO que o banco está estudando soluções para que todos os swifties (como são chamados os fãs de Taylor) possam comprar seus ingressos, mesmo aqueles que não conseguiram crédito suficiente. A pré-venda exclusiva é uma parceria entre o C6 Bank e a Mastercard. Ambos patrocinam o show.

Segundo Alexandra, a ação com os swifties foi “superpositiva”. Nos primeiros 15 minutos após o anúncio, foram mais de mil novas contas abertas. O número de clientes que têm de 18 a 25 anos aumentou 136% desde agosto.

— Como essa ação foi bem bacana, vamos pensar em novas oportunidades para trazer aos nossos clientes. Música ajuda a conectar muito bem — diz.

O desafio do banco agora é impedir que os swifties abandonem a instituição depois de conseguirem ter nas mãos os tão sonhados ingressos.


Por: o globo

instagram-icone-icon-1.png
Whatsapp-Imagens-Png-zg9Ts7.png
logo-facebook-transparente2.png

A VOZ DOS MUNICÍPIOS