PF deflagra operação para investigar venda de sentenças judiciais na Bahia

a Toga no banco dos réus

Na decisão em que autorizou a operação de hoje que investiga a venda de decisões na Justiça da Bahia — à qual O Antagonista teve acesso –, o ministro Og Fernandes, do STJ, diz haver “conjunto probatório” e “indícios claros” do esquema criminoso investigado.

O esquema, segundo Og, parece ter sido idealizado por Adailton Maturino, um cidadão que se apresenta como cônsul de Guiné-Bissau no Brasil.

O ministro descreve que a ORCRIM “escora-se na atuação de advogados e servidores do Tribunal de Justiça da Bahia como intermediadores de venda de decisões judiciais por desembargadores e juízes do TJBA, a fim de realizar um gigantesco processo de grilhagem na região do oeste baiano, com o uso de laranjas e empresas para dissimulação dos ganhos ilicitamente auferidos”.

Apenas o caso de uma suposta compra de liminar da desembargadora Maria da Graça Osório por Adailton, em 2014, envolveu propina no valor de 1,8 milhão de reais.

O homem que delatou essa negociação, Genivaldo dos Santos Souza, foi executado em praça pública à luz do dia, com oito tiros, naquele mesmo ano. O executor, que agiu mediante recompensa, também foi morto com sinais de execução no ano passado. Og Fernandes fala em “possível operação de queima de arquivo”

instagram-icone-icon-1.png
Whatsapp-Imagens-Png-zg9Ts7.png
logo-facebook-transparente2.png

A VOZ DOS MUNICÍPIOS