Mandetta diz que isolamento total ‘pode vir a ser necessário’ em algum momento

Defende análise de isolamento por cidade

Descartou em todo território brasileiro

Fez alerta sobre o uso de cloroquina

Criticou estimativas de epidemiologistas

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, disse neste sábado (28.mar.2020) que o lockdown, o bloqueio total da circulação, pode vir a ser necessário em algum momento em determinadas regiões do país. No entanto, afirmou que o fechamento total do território brasileiro está descartado, uma vez poderia vir a “causar 1 desastre”.


“Não existe quarentena horizontal, não existe vertical, não existe nada. Existe necessidade de arbitrar num determinado tempo qual o grau de retenção que uma sociedade deve fazer. O lockdown, que é parada absoluta total, ela pode vir a ser necessária, em algum momento, em alguma cidade. O que não existe é 1 lockdown, 1 fechamento de todo o território nacional, ao mesmo desarticulado. Isso é 1 desastre que vai causar muito problema para nós da saúde”, disse, em entrevista a jornalistas.


Segundo o ministro, a necessidade de paralisação deve ser analisada em cada cidade e Estado do país. Mandetta fez 1 apelo para que os governadores pondere suas medidas e busquem uma ação coordenada com as decisões a nível nacional.


“Vamos ter que, junto com os governadores, a quem eu faço aqui 1 apelo: não façam atitudes intempestivas, com ações e entrar numa fábrica de máscara e pegar toda para si. É preciso coordenar a ação nacional. Se for dessa maneira de quem pode mais, chora menos, vamos ter 1 problema que talvez todos possamos chorar”, afirmou.


Neste sábado (28), o Ministério da Saúde divulgou novo balanço sobre os casos de covid-19 –doença causada pelo novo coronavírus– no país. Já são 3.904 casos confirmados e 144 mortes registras em decorrência da doença.

Todos os Estados registraram casos da doença e 10 apresentaram óbitos: Amazonas, Ceará, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, São Paulo, Goiás, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.


ISOLAMENTO REDUZ ACIDENTES


Luiz Henrique Mandetta afirma que a restrição de circulação de pessoas, com as medidas de isolamento, tem reduzido no número de acidentes de trânsito no país, responsáveis por traumas graves e que faz com que as pessoas necessitam de leitos de Unidade de Terapia Intensiva.


“Motocicleta no Brasil é 1 dos principais elementos de traumatismo craniano e fatura de múltiplos órgãos. Por isso, mais uma razão para quando a gente determina a paralisação, quando param, imediatamente a gente percebe que diminuem os traumas e sobram os leitos. Há informações queda de até 30% a 40%, até 50%, do nível de taxa de ocupação, o que por si só abrem espaços de leitos. Mais uma razão para a gente diminuir bastante a atividade de circulação de pessoas”, disse.


O ministro defendeu que o exemplo mostra como as pessoas devem ficar em casa, porque, segundo, ele, se sair todo mundo em busca de atendimento nos hospitais “vai faltar pro rico, pro pobre, pro dono da empresa, pro dono do botequim, pro dono de todo mundo”.


SEM COVID-19


Mandetta negou informação que circula nas redes sociais que diz que ele teria a covid-19.

“Assim que eu testar positivo, pode ter certeza que eu vou vir aqui. Tudo que for de notícias mais duras serão dadas aqui por mim”, disse.


TESTES DE 2ª NÃO SERÃO PARA TODO MUNDO’

Mandetta afirmou que nesta 2ª feira (30.mar.2020) chegará um 1º lote de testes rápidos no Brasil, mas este não será para todo mundo. Segundo o ministro, haverá “critérios de utilização” para evitar 1 rápido esgotamento e que pessoas que possuem os sintomas não consigam fazer o teste.

“Se não [houver critério] vai acontecer igual a vacina. Nós dissemos ‘vacine o idoso e o profissional da saúde’, mas teve estado que me ligou em duas horas dizendo que acabou a vacina porque vacinou todo mundo”, disse.

O ministro disse que os testes serão feitos gradativamente pelo Brasil e fez 1 alerta para as pessoas que tiverem o resultado negativo: “Não pense que você vai fazer 1 teste e dizer ‘estou bem, tenho 1 certificado, vou para frente’. Não é para isso”.

PARCERIA COM O GRUPO DASA

Segundo o ministro, a estimativa é de que na próxima semana o governo consiga chegar na casa das pessoas por meio de 4 políticas de telemedicina. Uma parceria será firmada com o grupo Dasa.

“Nós vamos fazer na semana que vem uma grande parceria público-privada. Sem custo. Só pelo preço de custo. Aqui eu agradeço a Dasa, que é 1 grande conglomerado de laboratórios. Eles colhem o sangue em todos os Estados e levam para uma central em São Paulo, processam aquele exame e colocam nos computadores da ponta. Essa será a 1ª grande parceria com 1 conjunto de máquinas do poder público”, disse.

Mandetta também afirmou que o governo passará a fazer testes rápidos por meio de drive thru.

LETALIDADE DA COVID-19

Luiz Henrique Mandetta pediu cuidado a infectologistas e epidemiologistas que têm divulgados números sobre o como pode ser o impacto da covid-19 no Brasil. E alertou sobre comparações que são feitas entre a letalidade do novo coronavírus e da gripe suína (H1N1).

“Está cheio de professor de epidemiologistas, cheio de fazedores de conta, de cálculos. Prestem atenção, essa epidemia é totalmente diferente da H1N1”, diz. “Havia uma diferença enorme, havia 1 medicamento que todo mundo tinha na mão. Havia uma diferença enorme porque aquela H1N1, daquela época [2009], existia perspectiva de vacina por ela era da classe da influenza. Não há receita de bolo. Quem raciocinar pensando: ‘Nessa aqui foi assim’. Vai errar feio. Essa não é assim”, disse.

Segundo Mandetta, a covid-19, por não ter uma medicação específica ou vacina, tem uma letalidade que “ataca o sistema de saúde e ataca o sistema da sociedade como 1 todo”. 

“Essa [covid-19] causou não uma letalidade para o indivíduo, não é esse o nosso problema, nem daqueles que falam assim: ‘Ah, essa doença vai só 5 mil, só 10 mil’. Não é essa a conta. A conta é: esse vírus ataca o sistema de saúde e ataca o sistema da sociedade como 1 todo, ataca a logística, a educação, a economia, uma série de estruturas no mundo”, afirmou.

‘CLOROQUINA NÃO VAI SALVAR A HUMANIDADE AINDA’

O ministro afirmou que a cloroquina –medicamentos usado contra a malária, artrite reumatoide e lúpus– “não é o remédio para salvar a humanidade ainda”, pois seus efeitos no tratamento da covid-19 estão ainda em fase de pesquisa.

A cloroquina chegou a ser testada nos Estados Unidos em tratamentos contra o covid-19, mas a sua eficácia não foi comprovada. A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) decidiu enquadrar as substâncias como medicamentos controlados no Brasil. Com isso, a venda nas farmácias só pode ser feita mediante apresentação de receita branca especial em duas vias.

Apesar da eficácia não comprovada, o presidente Jair Bolsonaro mandou o Exército aumentar a produção do medicamento devido ao otimismo do governo. Disse que o Hospital Israelita Albert Einstein iniciou testes em pacientes.

O ministro alertou para os efeitos colaterais do uso do remédio sem recomendação médica. “Esse medicamento se tomado [por portadores da covid-19 leve] pode dar arritmia cardíaca. Ele pode paralisar a função do fígado”.



Por 360

instagram-icone-icon-1.png
Whatsapp-Imagens-Png-zg9Ts7.png
logo-facebook-transparente2.png

A VOZ DOS MUNICÍPIOS