Médico francês afirma que a cloroquina é a cura do COVID-19

"Não tenho o direito de não usar o único tratamento que até agora se mostrou bem sucedido. Estou convencido de que, no final, todos usarão esse tratamento... Quando você tem um tratamento que funciona contra zero outro tratamento disponível, esse tratamento deve se tornar a referência", diz o polêmico e respeitadíssimo cientista Didier Raoult.


Didier Raout em entrevista ao Le Parisien: “Com minha equipe, acreditamos ter encontrado uma cura”.

O jornal francês “Le Parisien” publicou uma entrevista com o polêmico médico e pesquisador francês, Didier Raoult, considerado pelos seus pares o mais importante infectologista do mundo. Desde que veio a público o seu estudo acerca do uso da cloroquina para combater o Covid-19, Raoult virou uma vitrine. Muitos cientistas jogam pedras. Outros, que geralmente estão no contato direto com os pacientes mais graves, lançam mão de seu protocolo.

O fato é que, até aqui, a soma hidroxicloroquina + azitromicina passou a ser largamente usada no front dos hospitais. Em conjunto, os dois medicamentos, geram mais notícias positivas do que negativas. Há relatos de sucesso que são realmente animadores.

Só que Didier Raoni tem um estilo muito próprio. É um cientista, digamos, excêntrico em seus posicionamentos públicos. Focus traduziu a entrevista do Le Parisien para que os leitores tirem suas próprias conclusões.


Médico do Polo de Doenças Infecciosas de La Timone e Diretor do Instituto Mediterrâneo de Infecções de Marselha (França), o Dr. Raoult garante a eficácia da cloroquina no tratamento do coronavírus.


Didier Raoult figura como top no ranking do expertscape.com, em Expertise in Communicable Diseases, um site de classificação de especialistas nas diversas áreas médicas, conforme sua contribuição e experiência no tratamento de uma doença específica.


O governo autorizou um grande ensaio clínico para testar o efeito da cloroquina no coronavírus. É importante para você ter obtido isso?

Não, eu não ligo. Eu acho que existem pessoas que vivem na lua e que comparam os testes terapêuticos da AIDS com uma doença infecciosa emergente. Eu, como qualquer médico, uma vez demonstrado que um tratamento é eficaz, acho imoral não administrá-lo. É simples assim.



O que você diz aos médicos que pedem cautela e estão reservados quanto aos seus testes e ao efeito da cloroquina, especialmente na ausência de mais estudos?

Entenda-me bem: sou um cientista e penso como um cientista com elementos verificáveis. Eu produzi mais dados sobre doenças infecciosas do que qualquer pessoa no mundo. Sou médico, vejo pessoas doentes. Eu tenho 75 pacientes hospitalizados, 600 consultas por dia. Então as opiniões um do outro, se você soubesse como eu não me importo. Na minha equipe, somos pessoas pragmáticas.



Como você começou a trabalhar com cloroquina e disse a si mesmo que poderia ser eficaz no tratamento de coronavírus?

O problema neste país é que as pessoas que falam são de total ignorância. Eu fiz um estudo científico sobre cloroquina e vírus, treze anos atrás, que foi publicado. Desde então, outros quatro estudos de outros autores mostraram que o coronavírus é sensível à cloroquina. Tudo isso não é novo. É sufocante que o círculo de tomadores de decisão nem sequer seja informado sobre o estado da ciência. Sabíamos da eficácia potencial da cloroquina em modelos de cultura viral. Sabíamos que era um antiviral eficaz. Decidimos em nossas experiências adicionar um tratamento com azitromicina [um antibiótico contra pneumonia bacteriana] para evitar infecções secundárias por bactérias. Os resultados foram fantásticos em pacientes com Covid-19 quando a azitromicina foi adicionada à hidroxicloroquina.



O que você espera de ensaios em larga escala em torno da cloroquina?

Nada mesmo. Com minha equipe, acreditamos ter encontrado uma cura. E em termos de ética médica, acredito que não tenho o direito como médico de não usar o único tratamento que até agora se mostrou bem-sucedido. Estou convencido de que, no final, todos usarão esse tratamento. É apenas uma questão de tempo até que as pessoas concordem e digam: é isso que você precisa fazer.



De que forma e por quanto tempo você administra cloroquina a seus pacientes?

A hidroxicloroquina é administrada na dose de 600 mg por dia, durante dez dias [na forma de Plaquenil, o nome do medicamento na França, nota do editor. No Brasil, chama-se Reuquinol) na forma de comprimidos administrados três vezes ao dia. E 250 mg de azitromicina duas vezes no primeiro dia e depois uma vez ao dia por cinco dias.



É um tratamento que pode ser tomado para prevenir a doença?

Nós não sabemos.



Quando você administra, quanto tempo leva para um paciente do Covid-19 se recuperar?

O que sabemos no momento é que o vírus desaparece após seis dias.



Você entende, no entanto, que alguns de seus colegas pedem cautela com este tratamento?

As pessoas dão sua opinião sobre tudo, mas só falo do que sei. Não dou minha opinião sobre a composição da seleção francesa! Todo mundo tem seu próprio trabalho. Hoje, a comunicação científica neste país é semelhante à conversa de bistrô.



Mas não existem regras de prudência a serem respeitadas antes de administrar um novo tratamento?

Para aqueles que dizem que precisamos de trinta estudos multicêntricos e mil pacientes incluídos, respondo que, se aplicássemos as regras dos atuais metodologistas, teríamos que refazer um estudo sobre o interesse do paraquedas. Pegue 100 pessoas, metade com pára-quedas e a outra sem e conte os mortos no final para ver o que é mais eficaz. Quando você tem um tratamento que funciona contra zero outro tratamento disponível, esse tratamento deve se tornar a referência. E é minha liberdade prescrever como médico. Não precisamos obedecer às ordens do governo para tratar os doentes. As recomendações da High Health Authority são uma indicação, mas não o obrigam. Desde Hipócrates, o médico fez o melhor, com base em seu conhecimento e com base na ciência.



E quanto aos riscos de graves efeitos indesejáveis ​​relacionados ao uso de cloroquina, especialmente em altas doses?

Ao contrário do que algumas pessoas dizem na televisão, a nivaquina [nome de uma das drogas projetadas à base de cloroquina] é bastante menos tóxica que o doliprano ou a aspirina ingerida em altas doses. Em qualquer caso, um medicamento sempre deve ser prescrito por um clínico geral.



Você está ciente da imensa esperança de cura para os pacientes?

Vejo acima de tudo que existem médicos que me escrevem diariamente em todo o mundo para descobrir como tratamos doenças com hidroxicloroquina. Recebi telefonemas do Hospital Geral de Massachusetts e da Clínica Mayo em Londres. Os dois maiores especialistas do mundo, um de doenças infecciosas, o outro de tratamentos com antibióticos, entraram em contato comigo pedindo detalhes sobre como configurar esse tratamento. E até Donald Trump twittou sobre os resultados de nossos testes. É apenas neste país [a França] que não está claro quem eu sou! Não é porque não vivemos dentro do anel viário de Paris que não fazemos ciência. Este país se tornou Versalhes no século XVIII!



O que você quer dizer com isso?

Paris está completamente fora de sintonia com o resto do mundo. Tomemos o exemplo da Coréia do Sul e da China, onde não há mais casos. Nesses dois países, eles decidiram há muito tempo realizar testes em larga escala para poder diagnosticar pacientes infectados mais cedo. Esse é o princípio básico do gerenciamento de doenças infecciosas. Mas chegamos a um nível de loucura tal que os médicos nos aparelhos de TV não aconselham mais diagnosticar a doença, mas dizem às pessoas para ficarem confinadas em suas casas. Não é remédio.



Você acha que limitar o convívio social da população não será eficaz?

Nunca antes isso foi feito nos tempos modernos. Estávamos fazendo isso no século 19 para a cólera em Marselha. A ideia de limitar as pessoas para bloquear doenças infecciosas nunca foi comprovada. Nem sabemos se funciona. É improvisação social e não medimos seus efeitos colaterais. O que acontecerá quando as pessoas ficarem trancadas, a portas fechadas, por 30 ou 40 dias? Na China, há relatos de suicídios por medo do coronavírus. Alguns vão lutar entre si.



Deveríamos, como exige a Organização Mundial da Saúde, generalizar os testes na França?

Vamos ter a coragem de dizê-lo: a França faz apenas 5000 testes por dia, quando a Alemanha realiza 160.000 por semana! Nas doenças infecciosas, diagnosticamos pessoas e, uma vez obtido o resultado, as tratamos. Especialmente porque estamos começando a ver pessoas portadoras do vírus, aparentemente sem sinais clínicos, mas que, em um número não desprezível de casos, têm lesões pulmonares visíveis na TC mostrando que estão doentes. Se essas pessoas não forem tratadas a tempo, existe um risco razoável de serem encontradas em terapia intensiva. Testar pessoas apenas quando já estão gravemente doentes é, portanto, uma maneira extremamente artificial de aumentar a mortalidade.



E devemos generalizar o uso de máscaras?

É difícil de avaliar. Sabemos que eles são importantes para o pessoal da saúde, porque são as pessoas que realmente têm um relacionamento muito próximo com os pacientes quando os examinam, às vezes a 20 cm do rosto. Não está claro até que ponto os vírus voam. Mas certamente não mais que um metro. Portanto, além dessa distância, pode não fazer muito sentido usar uma máscara. De qualquer forma, é nos hospitais que essas máscaras devem ser enviadas como prioridade para proteger os cuidadores. Na Itália e na China, uma parte extremamente grande dos pacientes acabou sendo o pessoal de saúde.


Fonte: focus.jor.br


instagram-icone-icon-1.png
Whatsapp-Imagens-Png-zg9Ts7.png
logo-facebook-transparente2.png

A VOZ DOS MUNICÍPIOS