Justiça eleitoral libera pré-candidaturas, mas proíbe pedido de votos

Muitos partidos políticos  já começaram a anunciar seus pré-candidatos aos cargos de prefeitos e vereadores para as eleições municipais desse ano que acontecem no mês de outubro. As pré-candidaturas são permitidas, mas os pré-candidatos devem ficar atentos às restrições eleitorais para não infringir a lei.

De acordo com a legislação eleitoral, o pré-candidato pode participar de entrevistas e debates nos meios de comunicação, e de encontros expondo suas plataformas e projetos políticos, porém, é proibido pedir voto.

“Não existe ainda campanha eleitoral porque ainda não há registro de candidatura. Só vai haver campanha e pedido de voto quando tiver registro de candidatura”, alerta Marcelo Gerard, coordenador de planejamento, estratégia e gestão do Tribunal regional Eleitoral de Sergipe (TRE/SE). “Existe a possibilidade de disseminar a informação de pré-candidatura, agora com muito cuidado para não passar a imagem de que está pedindo voto de forma explícita e incorrer em campanha antecipada. Isso pode, lá na frente, trazer problema para o desenvolvimento da campanha da pessoa”, complementa.


A legislação proíbe a campanha eleitoral antecipada, mas libera a vaquinha virtual para que esses pré-candidatos possam arrecadar dinheiro para financiar sua campanha política. “A própria legislação permite, a partir de 15 maio, arredação de recursos através da vaquinha virtual por sites cadastrados pela Justiça Eleitoral, para que a pessoa vá arrecadando verba para fazer sua campanha, mesmo não sendo candidato ainda. Mas, esse dinheiro só pode ser utilizado se for registrado como candidato, ai ele recebe o dinheiro para usar. Caso não se registre a candidatura, o dinheiro retorna para quem fez a doação”, explica Gerard.



Descompatibilização

As pessoas que pretendem concorrer aos cargos das eleições municipais devem ficar atentas também aos prazos para descompatibilização, ou seja, afastamento do cargo público que ocupa. A Lei de Inelegibilidade traz algumas situações que podem deixar a pessoa impedida de ser candidatar, dentre elas, os prazos para descompatibilizar.


“É um procedimento que a pessoa deve executar para não entrar na situação de inelegibilidade. No caso de descompatibilização são diversos casos, mais de 300, por isso, as pessoas devem verificar na legislação cada caso. O mais comum é que, para se candidatar a prefeito, a pessoa deve se afastar do seu cargo quatro meses antes da eleição e, para vereador, seis meses antes do pleito, mas isso vai depender do cargo e da situação pessoal. Tem que analisar caso a caso”, afirma.


Outra situação que mudou na legislação são os prazos para o candidato fixar domicílio eleitoral no município e para se filiar a um partido político. “Antigamente para as duas situações era exigido um ano de antecedência da data do pleito. Hoje é unificado o prazo de seis para as duas situações. O candidato deve ter sua filiação a um partido deferida seis meses antes da eleição, assim como, ter domicílio eleitoral no município em que vai concorrer ao cargo seis meses antes do pleito”, adianta Gerard.




Por Karla Pinheiro

instagram-icone-icon-1.png
Whatsapp-Imagens-Png-zg9Ts7.png
logo-facebook-transparente2.png

A VOZ DOS MUNICÍPIOS