Ex-presidente do Supremo Tribunal Eleitoral da Bolívia é presa

Mais cedo, Maria Eugenia Choque havia renunciado ao cargo, antes que Evo Morales deixasse a presidência.

A ex-presidente do Supremo Tribunal Eleitoral da Bolívia, Maria Eugenia Choque Quispe, foi presa na noite deste domingo (10) e exibida com algemas pela polícia numa entrevista coletiva.


"Queremos anunciar que, graças a um trabalho minucioso da polícia boliviana, se conseguiu a detenção da presidente do Tribunal Supremo Eleitoral, María Eugenia Choque", disse o comandante geral da polícia, Vladimir Yuri Calderón.

O vice-presidente do TSE boliviano, Antonio Costas, também foi preso e exibido ao seu lado.


O pedido de investigação e prisão da presidente e do vice-presidente do TSE boliviano, de acordo com o comandante da polícia, partiu de Juan Lanchipa Ponce, chefe do Ministério Público da Bolívia.

Mais cedo, Maria Eugenia Choque havia renunciado ao cargo, horas antes da renúncia de Evo Morales à presidência.


"Por intermédio desta, faço conhecer a você minha renúncia irrevogável ao cargo de presidente do Supremo Tribunal Eleitoral, para a pacificação da situação atual no Estado Plurinacional da Bolívia, reafirmando minha vontade para uma investigação justa", disse, na carta de renúncia.


O TSE boliviano foi alvo de críticas após a realização das eleições de 20 de outubro, que apontaram vitória em primeiro turno para Evo Morales.


Neste domingo, a Organização dos Estados Americanos afirmou que o pleito foi fraudado.


Horas depois, o então presidente, Evo Morales, afirmou que convocaria novas eleições.


No entanto, Morales renunciou no fim da tarde deste domingo (10). Ao menos três ministros, além de governadores e outros políticos, também deixaram seus cargos.


Por g1

instagram-icone-icon-1.png
Whatsapp-Imagens-Png-zg9Ts7.png
logo-facebook-transparente2.png

A VOZ DOS MUNICÍPIOS