Ex-militar morre após confronto com a Polícia em Aracaju

Homem era acusado de participar de quadrilha e cometer diversos roubos


O ex-policial militar Luciano Santos Andrade, de 45 anos, morreu no bairro Cirurgia, em Aracaju, após entrar em confronto com as Polícias Civil e Militar, que realizavam uma operação para desarticular quadrilha criminosa acusada de invadir propriedades, realizar arrombamentos, manter pessoas reféns e roubar seus pertences em diversas partes da cidade.

De acordo com informações da Secretaria de Estado da Segurança Pública (SSP), a operação é resultado de um levantamento feito em princípio pela Delegacia de Frei Paulo e que investigava a ação de um grupo criminoso.

Conforme o coronel Fábio Rolemberg, comandante do policiamento do interior, durante as ações criminosas, os assaltantes chegavam a se passar por policiais para manter pessoas como reféns e realizar os assaltos.


No final da tarde desta sexta-feira (29), com informações que esses homens estariam se reunindo em um local na cidade de Aracaju, com o objetivo de cometer ações delituosas no Agreste Sergipano, policiais se dirigiram até o local, no bairro Cirurgia, e abordaram os homens em dois veículos, um Ônix e Ford Ka.


Foto: Will Rodriguez/ F5 News

Em meio a ordem de parada, os criminosos reagiram e realizaram vários disparos contra as equipes. No revide, Luciano Santos Andrade, que estava no Ford Ka, conhecido também como ‘Poli’, foi atingido, socorrido por equipes do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência, levado ao hospital, mas morreu. O Instituto Médico Legal (IML) foi acionado e recolheu o corpo.


A polícia mantém as investigações para localizar os outros homens envolvidos com o grupo criminoso.


Histórico


Foto: SSP/ DIvulgação

Luciano (foto), já havia sido preso em duas outras oportunidades (2016 e 2020). Ele havia sido expulso da Polícia Militar de Sergipe no ano de 2002, acusado de diversos crimes.


Em 2016, Luciano foi preso por envolvimento com uma organização criminosa  que agia na região de Itaporanga D'Ajuda e Salgado.  No momento da prisão, com ele foram encontrados uma pistola .40, de uso restrito da polícia, luvas pretas, alicates, dois pares de algemas, rádio transmissor (HT), giroflex de viaturas, espingardas, além de vários objetos furtados em Itaporanga.

Poli, como é conhecido o ex-militar, responde a vários processos criminais por tráfico de drogas, tráfico de munições e de armas para grupos criminosos de Sergipe, associação para o tráfico, roubos e furtos de residências e de veículos. Na audiência de custódia, a Justiça concedeu o direito de Luciano responder o processo em liberdade mediante o pagamento de fiança de três salários mínimos, além de outras restrições.

Em 2017, o ex-militar teve o mandado de prisão preventiva decretada e desde então estava foragido, quando foi recapturado, em março de 2020, por policiais do Getam, noticiado pelo F5 News à época.

O trabalho foi realizado por equipes do Comando do Policiamento Militar do Interior (CPMI), Companhia Independente de Operações Policiais em Área de Caatinga (Ciopac) e Coordenadoria das Delegacias do Interior (Copci).

instagram-icone-icon-1.png
Whatsapp-Imagens-Png-zg9Ts7.png
logo-facebook-transparente2.png

A VOZ DOS MUNICÍPIOS