73,2 mil militares receberam o auxílio de R$600 INDEVIDAMENTE, diz governo

De acordo com informações do Ministério da Defesa, receberam o benefício os militares ativos, inativos, de carreira e temporários, pensionistas, dependentes e anistiados.

O Ministério da Defesa acaba de informar que nada menos que 73.242 militares das Forças Armadas receberam de forma indevida o auxílio emergencial de R$600. De acordo com informações da pasta, receberam o benefício os militares ativos, inativos, de carreira e temporários, pensionistas, dependentes e anistiados.


Em nota, o Ministério informou que os comandos da Aeronáutica, Marinha e Exército já abriram processo para investigar a participação de cada um de seus integrante em possíveis irregularidades. Além disso, o texto diz que os valores deverão ser devolvidos ao Governo.


“Os Ministérios da Defesa (MD) e da Cidadania (MC) informam que, dos quase 1,8 milhão de CPFs constantes da base de dados do MD, 4,17% (73.242) receberam o auxílio emergencial concedido pelo Governo Federal. Isso inclui militares (ativos e inativos, de carreira e temporários), pensionistas, dependentes e anistiados. Assim que o Ministério da Defesa e o Ministério da Cidadania fizeram o cruzamento de dados e identificaram a possibilidade de eventuais recebimentos indevidos, os Comandos das Forças Armadas foram acionados para apurar possíveis irregularidades”, diz a nota a Defesa.


“Havendo indícios de práticas de atos ilícitos, os Ministérios da Defesa e da Cidadania adotarão todas as medidas cabíveis, mantendo sempre o compromisso com a transparência”, conclui a nota da Defesa.


Uma parte da nota diz que parte dos que receberam o auxílio emergencial de forma indevida está registrada no Cadastro Único ou recebe Bolsa Família.


O valor terá que ser devolvido de forma voluntária, através de pagamento via Guia de Recolhimento da União (GRU). Além disso, poderá ser feito um pedido de estorno do crédito bancário.


O militar que não devolver os recursos vai ser inscrito na Dívida Ativa da União e será cobrado de maneira compulsória.


O que diz a lei? Quem pode receber o auxílio?

O projeto altera uma lei de 1993, que trata da organização da assistência social no país. De acordo com o texto, durante o período de três meses será concedido auxílio emergencial de R$ 600 ao trabalhador que cumpra, ao mesmo tempo, os seguintes requisitos:

  • seja maior de 18 anos;

  • não tenha emprego formal;

  • não seja titular de benefício previdenciário ou assistencial, beneficiário do seguro-desemprego ou de programa de transferência de renda federal, ressalvado o bolsa-família;

  • a renda mensal per capita seja de até meio salário mínimos ou a renda familiar mensal total seja de até três salários mínimos;

  • que não tenha recebido em 2018 rendimentos tributáveis acima de R$ 28.559,70.

O auxílio vai ser cortado caso aconteça o descumprimento dos requisitos acima. O texto também deixa claro que o trabalhador deve exercer atividade na condição de:

  • microempreendedor individual (MEI); ou

  • contribuinte individual do Regime Geral de Previdência Social que trabalhe por conta própria; ou

  • trabalhador informal, seja empregado ou autônomo, inscrito no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico), até 20 de março de 2020, ou que se encaixe nos critérios de renda familiar mensal mencionados acima.

Desde já, a proposta estabelece que apenas duas pessoas da mesma família poderão receber cumulativamente o auxílio emergencial e o benefício do Bolsa Família, podendo ser substituído temporariamente o benefício do Bolsa Família pelo auxílio emergencial, caso o valor da ajuda seja mais vantajosa para o beneficiário. A trabalhadora informa, chefe de família, vai receber R$ 1.200.


Como pedir o auxílio


Os trabalhadores poderão solicitar o auxílio emergencial de R$600 das seguintes formas:


  1. O cidadão, enfim, no primeiro momento, deve acessar a página inicial oficial do site da Caixa (https://auxilio.caixa.gov.br/#/inicio);

  2. Dessa forma, na página seguinte, são mostrados os requisitos necessários para ter direito ao auxílio emergencial de R$600 a R$1.200;

  3. Após isso, o trabalhador informal deve preencher dados como nome completo, CPF e data de nascimento;

  4. 4. Logo após, será necessário o preenchimento do número do celular para recebimento de um código de verificação por SMS;

  5. Assim chegar por SMS, o código de verificação deve ser colocado no campo “código recebido”;

  6. Após isso, o cidadão deverá informar a renda, o ramo de atividade (as opções oferecidas pelo sistema são Agricultura e Pecuária, Extrativismo/Pesca, Comércio, Produção de Mercadorias, Prestação de serviços, Trabalho Doméstico, Outros), estado e cidade;

  7. Em seguida, o trabalhador escolhe se quer receber em conta já existente ou criar uma poupança digital;

  8. O trabalhador poderá escolher se deseja receber o valor do auxílio em uma conta já existente ou criar uma poupança digital;

  9. Após informar a opção, trabalhador deve fornecer seu documento (RG ou CNH;

  10. Em seguida vêm os dados fornecidos pelo trabalhador;

  11. Em conclusão, na tela final, aparece o aviso de que o pedido do auxílio emergencial está em análise.


Por Notícias concurso

instagram-icone-icon-1.png
Whatsapp-Imagens-Png-zg9Ts7.png
logo-facebook-transparente2.png

A VOZ DOS MUNICÍPIOS