5.319 casos de dengue já foram confirmados em Sergipe

Conforme dados divulgados pela Secretaria de Estado da Saúde (SES), por meio da Diretoria de Vigilância da Saúde, na semana Epidemiológica 50, foram notificados 11.584 casos de dengue em Sergipe, sendo 5.319 confirmados, e 833 passam por investigação. Até o momento foram registrados 13 óbitos por dengue grave.


A chikungunya registrou 722 casos notificados, sendo desses, 234 confirmados. O sarampo apresenta 60 notificações, seis casos confirmados, 51 descartados e três em análise. Até o momento, não houve registro de morte por sarampo no Estado.


Segundo a diretora de Vigilância em Saúde da SES, Mércia Feitosa, é preciso que a sociedade esteja alerta também para a chikungunya, sobretudo no período do verão. Ao contrário da Dengue, a chikungunya acomete mais os adultos acima de 30 anos do que crianças e adolescentes.


Verão


A chegada do verão traz muita alegria para a população, porém, cuidados devem ser observados em relação às arboviroses. Com a elevação das temperaturas vêm as chuvas, o que torna o período muito propício à proliferação do mosquito Aedes aegypti, vetor causador da Dengue, Chikungunya e Zica, que pode transmitir, também, a Febre Amarela urbana, doença mais rara na região, mas que pode ser adquirida em outros estados e países endêmicos. Por isso, a Secretaria de Estado da Saúde (SES), através do Núcleo de Endemias, alerta para que a prevenção seja reforçada nessa época.


Segundo a gerente do Núcleo de Endemias da SES, Sidney Sá, é no calor que o mosquito tende a se reproduzir mais rápido. “O verão é uma época de chuva e sol ao mesmo tempo, com temperaturas elevadas, então é preciso cuidar dos locais que acumulam água, principalmente a água que vem da chuva, porque é onde o Aedes gosta de colocar seus ovos e se proliferar, o que pode provocar um surto ou uma epidemia nesse período. Então precisamos redobrar os cuidados como, por exemplo, em vasinhos de plantas, pneus, lavanderias, nos reservatórios de água, é muito importante ter o cuidado de vedar esses lugares para que o mosquito não tenha acesso, e não acumular lixo nos quintais”, explica.  




Fonte: SES

instagram-icone-icon-1.png
Whatsapp-Imagens-Png-zg9Ts7.png
logo-facebook-transparente2.png

A VOZ DOS MUNICÍPIOS