Quinta, 21 de Janeiro de 2021
79 99979-2283
Política Politica

Saiba quais são os desafios da década na política

Crise de representatividade de partidos, instituições, eleições e sistema de governo é desafio a ser superado, dizem cientistas políticos

12/01/2021 19h09
16
Por: Redação Fonte: gauchazh
Sentimento de representação política precisa ser fortalecido Sergio Lima / AFP
Sentimento de representação política precisa ser fortalecido Sergio Lima / AFP

Na década que se encerrou, o Brasil viveu as manifestações de rua de 2013, a fragilização da esquerda e a ascensão da direita, impeachment de uma presidente da República, a Lava-Jato e a mudança de rumo no governo federal com a vitória de Jair Bolsonaro. Caxias do Sul passou por um período turbulento na política nos últimos quatro anos, registrando renúncia de vice-prefeito, impeachment de chefe do Executivo e mandato tampão. Em meio a acirramentos de uma sociedade dividida, a consolidação da democracia é, para o cientista político João Ignácio Pires Lucas, o maior desafio da próxima década.

— Como o Brasil é um país muito centralizado nacionalmente, a partir do que vem do governo federal acaba se vendo o que sobra para Estados e municípios. Politicamente, talvez o maior desafio seria uma nova fase do que se chamaria de democratização ou de consolidação da democracia. Hoje em dia, a democracia já não é um grande consenso. E para que ela possa permanecer, vai ter que avançar talvez com inovações, especialmente no âmbito da representatividade dos partidos, eleições e do próprio sistema governamental. Talvez tenha que passar por reformas importantes para que ela possa se manter.

— Estamos voltando para uma situação de ameaça da democracia e temos exemplos no mundo inteiro. No Brasil, não se sabe se teremos eleições e como serão, se não vai haver um questionamento das eleições. Nos parece que aquilo que está acontecendo nos Estados Unidos vai acontecer no Brasil. O principal problema dos próximos anos é da consolidação atual da democracia, diante dessas novas ameaças.

Ele aponta como problemas a fragmentação partidária e a falta de enraizamento dos partidos na sociedade brasileira.

— Essas brigas oriundas das polarizações não é o pior problema da democracia. Temos um problema de desgaste, de perda de legitimidade no sistema partidário eleitoral. A fragmentação partidária, que leva ao chamado presidencialismo de coalizão, que coloca em risco a manutenção de prefeitos eleitos, governadores, presidente, que podem sofrer impeachment, não tanto pelos atos criminosos que cometam, mais pela fragmentação e perda de uma maioria, é um problema que demonstra a falta de enraizamento dos partidos na sociedade brasileira.

Por sua vez, o cientista político Marcos Paulo Quadros entende que são muitos e antigos os desafios no Brasil. Ele cita, por exemplo, incremento de renda para a população, saneamento de equívocos institucionais (especialmente o papel do STF), reformas estruturais, ampla revisão constitucional, reposicionamento internacional do país, combate definitivo à criminalidade (o que inclui a corrupção), menor centralização em Brasília, investimento pesado em educação básica e em ciência e tecnologia.

— Certos arranjos inviabilizam mudanças efetivas, e isso precisa ser modificado para que o país se desenvolva de verdade e para que a população sinta-se realmente representada e se enxergue como uma nação menos dividida.

Em relação ao Estado e a Caxias, Pires Lucas avalia que os desafios sejam talvez menos políticos, e mais de ordem econômica.

— Há um desafio na próxima década de fazer uma reestruturação sob pena de que o RS perca o bonde da história, e isso muito motivado à luz da revolução científica, tecnológica e da globalização.

Ele aponta a necessidade profunda de um planejamento estratégico que coloque Caxias novamente num cenário positivo a partir de um processo de inovação.

Sobre o Estado, Quadros define:

— Constrangido diante da ausência de recursos e do déficit estrutural, quem quer que seja o governador se vê diante de uma paralisia gerencial que impede os investimentos e a promoção de políticas públicas. Por isso, o Piratini se tornou quase uma sepultura para carreiras políticas. É preciso otimizar a máquina pública, fulminar privilégios indevidos, incentivar a iniciativa privada e corrigir desalinhamentos regionais.

Em relação a Caxias, Quadros entende que o mais importante é impedir que a cidade ingresse em uma espiral de decadência. Ele também fala sobre a diversificação da matriz econômica, melhora da estrutura logística, aposta na formação humana e na captação de talentos. E destaca a necessidade de forjar novas lideranças políticas e empresariais.

DESAFIOS GIGANTES

Alguns tópicos mencionados pelos cientistas João Ignácio Pires Lucas e Marcos Paulo Quadros para o país, o Estado e o município:

BRASIL

:: Avançar com inovação no âmbito da representatividade dos partidos, eleições e sistema.
:: Reformas estruturais.

RIO GRANDE DO SUL

:: Reestruturação do Estado à luz da revolução científica e tecnológica.
:: Vencer déficit estrutural.

CAXIAS DO SUL

:: Impedir que a cidade ingresse em uma espiral de decadência.
:: Novas lideranças políticas e empresariais.

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Barra dos Coqueiros - SE
Atualizado às 10h57 - Fonte: Climatempo
28°
Pancada de chuva

Mín. 23° Máx. 32°

31° Sensação
20 km/h Vento
70% Umidade do ar
60% (6mm) Chance de chuva
Amanhã (22/01)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 21° Máx. 33°

Sol e Chuva
Sábado (23/01)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 22° Máx. 32°

Sol e Chuva